Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

Compartilhe

Tornar públicos os relatórios de inspeções governamentais?

Postado 2019/03/13

 

Atualmente, discute-se a possibilidade de disponibilizar publicamente os relatórios de inspeções através de páginas eletrônicas de acesso livre, permitindo que o cidadão tome conhecimento das inspeções e torne o processo em si, mais transparente. Pelo menos, é o que a mídia começa a noticiar através de fontes confiáveis1.

Refiro-me não aos nossos limites geográficos, mas a algumas ações que se mostram nesse sentido, além do Oceano. Refiro-me ao segmento de farmácias comerciais no Reino Unido. Por lá, o que ora se discute, não é a publicação ou não, mas a possibilidade de o empresário tomar conhecimento da inspeção de maneira prévia e possa contestá-la antes da divulgação para a sociedade.

São muitos os atores que se envolverão com essa mudança. Uma mudança, convenhamos, contundente que envolve muitos. Falo de estabelecimentos que se mostram por evidências claras e objetivas, capazes, aos olhos do governo, de continuar operando, mas com uma exposição ao grande público nunca antes vista.

O empresário da farmácia terá de conviver com uma exposição dramática de suas possíveis falhas ou terá de se reinventar transformando os resultados publicados de suas inspeções como verdadeira ferramenta de marketing e fidelização de clientes?

Os clientes do negócio - e aí se encontram os prescritores e cuidadores – continuarão recomendando farmácias com registros aquém do desejado em seus resultados de inspeções governamentais?

E os consumidores? Como se comportarão frente às informações publicadas?

Um ator que ganha destaque neste novo cenário é, sem dúvida, o Farmacêutico; seja ele o Responsável Técnico ou não, é ele a grande referência ética e regulatória dentro da farmácia e, por esta razão, sob as suas diretrizes, o negócio (isso mesmo, a farmácia é um negócio sim) toma o corpo de verdadeiro estabelecimento de saúde. Ganham com o farmacêutico, todos os demais atores, a saber: o dono do negócio, os clientes, os consumidores (ou usuários) e a sociedade de maneira geral. Quanto maior destaque, maior a importância sentida e maior valor que pode lhe ser atribuído. Será possível?

Falamos de farmácias comunitárias. Podemos vislumbrar uma tendência mundial para usar a mesma política para todos os demais segmentos como o da indústria farmacêutica? Podemos imaginar relatórios de inspeções governamentais em indústrias farmacêuticas, de cosméticos e de alimentos e bebidas, por exemplo, divulgados em sites oficiais para toda a sociedade? Não duvido; pode ser uma questão de tempo, talvez de décadas, mas não duvido...

Estejamos preparados!

 

1 The Pharmacist - https://www.thepharmacist.co.uk/what-do-community-pharmacists-really-think-of-unannounced-inspections/ acesso em 13/03/2019

 

 

Licença Creative Commons
O trabalho "Tornar públicos os relatórios de inspeções governamentais?" de Carlos Santarem está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.



Política de cookies

Este site utiliza cookies para armazenar informações no seu computador.

Você aceita?