Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

Compartilhe


CAB

Change authorization board

CACHE

Área de memória muita rápida, para duplicar informação para ficar de fácil acesso.

CAD

Computer Aided Design

CAD/CAM

Computer-Aided Design/Computer-Aided Manufacturing - desenho e projeto da manufatra com ajuda de mputador para se automatizar a passagem do projeto para a execução na manufatura.

CADEIA DE VALOR

Designa a série de atividades relacionadas e desenvolvidas pela empresa para satisfazer as necessidades dos clientes, desde as relações com os fornecedores e ciclos de produção e venda até à fase da distribuição para o consumidor final. Cada elo dessa cadeia de atividades está ligado ao seguinte. Esta é uma metodologia usada pela consultoria Mckinsey, sistematizada e popularizada por Michael Porter, que permite decompor as atividades (divididas em primárias e de suporte) que formam a cadeia de valor. Segundo Porter, existem dois tipos possíveis de vantagem competitiva (liderança de custos ou diferenciação) em cada etapa da cadeia de valor.

CAE

Computer-aided engineering

CAE

Execução de projetos de engenharia com o auxílio por computador.

CAIT

Inspeção e teste com o auxílio de computadores.

CAIV

Cost as (an) independent variable

CAIXA

Recipiente com lado fundo e tampa para fechamento, fabricado de materiais diversos. Quando fabricado de madeira, passa a denominar-se caixote.

CAIXA TELESCÓPICA

Caixa em que a tampa e o fundo encaixam-se entre si. Adequada para acondicionar produtos de grande comprimento, largura e de pouca altura.

CALS - CAIXAS COM ABAS EXTERNAS SUPERPOSTAS

Caixas em que as abas externas se sobrepõem completamente.

CAIXAS COM ABAS INTERNAS ABERTAS

Caixas com quatro abas de fechamento com mesma largura sendo que as externas encontram-se  no meio da largura.

CAIXAS COM ABAS INTERNAS FECHADAS

Caixas com as abas internas se encontrando.

CÁLCULO DE NECESSIDADES

É o método de programação da produção, baseado na demanda derivada, ou seja, todas as peças, componentes, materiais e suprimentos que vão no produto ou serviço final.

CALENDÁRIO DE MANUFATURA

Calendário utilizado no planejamento dos estoques e da produção, que permite que a programação das ordens de produção seja feita somente considerando os dias disponíveis para o trabalho.

CALIBRAÇÃO

Comparação de um instrumento de medida com aferição desconhecida, com um instrumento com precisão conhecida, para detectar toda variação da performance requerida e especificada.

CALIBRAÇÃO

Conjunto de operações que compara os valores obtidos de um equipamento de inspeção, medição e ensaio ou dispositivo, com um padrão conhecido sob condições específicas.

CALL CENTER

Atendimento rápido, eficiente e completo do cliente, com os recursos da administração, da informação, do marketing e das tecnologias de comunicação.

CALLBACK

Processo pelo qual um servidor de edi verifica a fonte de acesso para o sistema para garantir que quem esta chamando é um usuário autorizado.

CALS

Commerce at light speed

Continuous acquisition and life-cycle support

CAM

Computer-aided manufacturing

CÂMBIO

A moeda de todos os outros países

CAMINHÃO TRATOR

Veículo automotor destinado a tracionar ou arrastar outro.

CAMPANHA DOS SETE

Campanha de melhoramentos implantada pela nissan motors

CANAL DE COMUNICAÇÃO

O raio de luz composto.

CANAL DE DISTRIBUIÇÃO

  • Conjunto de instrumentos comerciais, mercadológicos e logísticos, que propicia a movimentação dos produtos que obedecem ao conceito do segmento de mercado, colocando estes produtos ao alcance dos usuários e, por intermédio do "merchandising", estimulando as transações comerciais com o usuário conceitualmente ajustado.    
  • Empresas ou indivíduos que participam na administração dos fluxos de materiais e serviços, dos fornecedores de matérias primas e componentes até o usuário final dos bens.

CAO – COMPUTER ASSISTED ORDERING

Sistema operado pelo distribuidor que automaticamente gera pedidos de reposição, quando as vendas diminuem o estoque de um determinado item.

CAPABILIDADElitude total da variação inerente a um processo estável, determinada utilizando-se de dados provenientes de cartas de controle.

CAPABILIDADE DO PROCESSO

  • Habilidade do processo de produzir partes conforme as especificações de engenharia, avaliando-se a média e o desvio padrão do processo, para comparação com a especificação
  • Habilidade do processo de produzir partes conforme as especificações de engenharia, avaliando-se a média e o desvio padrão do processo, para comparação com a especificação.

CAPACIDADE

  • Capacidade de um sistema de executar a função para o qual foi projetado.
  • Conjunto de aptidões, habilitações e competências para resolver ou suplantar problemas de determinada característica ou nível de dificuldade.

CAPACIDADE DE CARGA

É o peso máximo da carga que poderá ser movimentada por uma empilhadeira, com um centro de carga específico.

CAPACIDADE DE MANUTENÇÃO

É a probabilidade de que um sistema com falhas possa ser consertado em um intervalo específico.

CAPACIDADE MÁXIMA DE TRAÇÃO

Máximo peso que a unidade de tração é capaz de tracionar, indicado pelo fabricante, baseado em condições sobre suas limitações de geração e multiplicação de momento de força, e resistência dos elementos que compõem a transmissão.

CAPACIDADE OCIOSA

Grau de subutilização de recursos de produção disponíveis: manter as fábricas com capacidade ociosa gera um custo que afeta o preço final da mercadoria.

CAPACIDADE PRODUTIVA

É a quantidade máxima de produtos ou serviços que a empresa pode produzir em um intervalo de tempo.

CAPOSS

Capacity planning and operation sequence scheduling

CAPP

Computer aided process planning

CARACTERE FINAL E INICIAL

Indica ao scanner o início e fim do código.

CARACTERÍSTICA

Uma característica do produto como um raio e dureza, ou de um processo como força de inserção e temperatura.

CARACTERÍSTICA CRÍTICA

Uma necessidade do produto (dimensão, especificação, teste) ou parâmetro do processo que pode afetar o cumprimento de conformidades, como a regulamentação governamental ou a função de segurança do veículo/ produto e que requer ações específicas do produtor, montagem, transporte ou de monitoração. Características críticas devem ser incluídas em planos de controle e, quando controles específicos são requeridos por todos os produtores, identificadas nos desenhos e especificações com o símbolo do delta invertido.

CARACTERÍSTICA DO PODUTO

Características quantificáveis/mensuráveis tais como dimensões, tamanho, forma, localização, orientação, textura, dureza, resistência à tração, revestimento, reflexividade, acabamento, cor e química.

CARACTERÍSICA ESPECIAL DO PROCESSO

Característica crítica, chave, maior e significativa de processo que deverá ser controlada em relação ao seu valor de referência para assegurar que a variação em uma característica especial do produto seja mantida em seus valores de referência durante o processo de manufatura e montagem.

CARACTERÍSTICA ESPECIAL DO PRODUTO

Característica crítica, chave, maior e significativa do produto onde a variação no produto poderia afetar significativamente a segurança ou o comprimento dos padrões e normas governamentais, ou da mesma forma afeta significativamente a satisfação do cliente.

CARACTERÍSTICA MERCADOLÓGICA

Características que diferenciam os produtos e suas embalagens, como freqüência de compra, tempo despendido na compra, tempo de consumo, margem de comercialização, possibilidade de diferenciação e tamanho do canal de distribuição.

CARACTERÍSTICA SIGNIFICATIVA

Aqueles requisitos de produto, processo e teste que são importantes para a satisfação do cliente e para os quais as ações de planejamento de qualidade devem ser resumidas em um plano de controle.

CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS

Características do produtos e processos designados pelo cliente, incluindo regulamentações governamentais e segurança, e/ou selecionadas pelo fornecedor através do conhecimento do produto e processo.

CARACTERÍSTICOS FÍSICOS

Os característicos físicos são dados detalhados relativos à composição de um item de suprimento, destinados a formar, em complemento ao nome padronizado e à identificação suplementar sua descrição padronizada.

CARACTERÍSTICOS FÍSICOS DE MATERIAL

Os característicos físicos são dados detalhados relativos à composição de um item de suprimento, destinados a formar, em complemento ao nome padronizado e à identificação suplementar sua descrição padronizada. A determinação dos característicos físicos deve obedecer, preliminarmente, à fixação de uma série de requisitos, considerados comuns aos itens de suprimento possuidores do mesmo nome padronizado.

CARRETA

Constituído por um baú de maiores dimensões com trem traseiro próprio sem força motriz própria, porém, acoplável ao cavalo mecânico.

CARRETA BAÚ

É uma carreta fechada.

CARRETA ISOTÉRMICA

É uma carreta fechada, com isolamento térmico em suas paredes, que conserva a temperatura da carga.

CARRETEIRO

Profissional independente contratado para realizar transporte de cargas.

CARRIER

Operador autorizado de redes.

CARTA DE PROCESSOS

Carta que representa a sequência dos trabalhos e natureza dos eventos que compõem o processo.

CARTÃO DUPLEX

Cartão com faces de cores diferentes.

CARTAS DE CONTROLE

São gráficos usados para monitorar um processo, para verificar se ele está sob controle estatístico. Os pontos que caem fora dos limites indicam a presença de uma causa especial de variação, uma causa que merece ser investigada e, pontos que caem dentro dos limites representam as causas comuns, inerentes ao processo. Um gráfico de controle é um gráfico cronológico com uma característica extra: ele indica também a faixa de variação incluída no sistema. Os limites dessa faixa são marcados por limites de controle superior - LCS e inferior - LCI, calculados de acordo com fórmulas estatísticas, a partir de dados coletados no processo e, indicam quanta variação é típica no processo.

CARTAZ DE RISCO

Elemento de identificação, de grandes dimensões, usado nos acondicionamentos de transporte, para torna los facilmente reconhecíveis quando transportam materiais com risco, para identificar a natureza do risco e para dar indicação primaria do procedimento de emergência, na eventualidade de acidente.

CARTEIRA DE INVESTIMENTO

Resultado da aquisição de bônus com vencimento de longo prazo e ações representativas de negócios nacionais ou estrangeiros.

CARTELA DE TOLERÂNCIA

Determina a variação máxima de cor admissível, utilizado para a produção de embalagens, normalmente para a impressão em offset.

CARTUCHO

Embalagem de apresentação fabricada em cartão, para contenção de bisnagas e outras embalagens de contenção.

CASA

Computer and automated systems association

CASA DA QUALIDADE

Processo para relacionar as necessidades dos clientes e as características dos produtos necessárias para suportar e proporcionara estes atributos.

CASE

Computer-aided system engineering

CATADIÓPTRICO

Dispositivo de reflexão e refração da luz utilizado na sinalização de vias e veículos (olho-de-gato).

CATALOGAÇÃO

Consolidação dos dados de identificação de material e dos respectivos códigos em publicações específicas: catálogos ou banco de dados para consulta ou disseminação da informação.

CATALOGAÇÃO DE FORNECEDOR

Consolidação dos dados de identificação e codificação dos fornecedores de itens de suprimento em publicações específicas.

CATALOGAÇÃO DE MATERIAL

Consolidação dos dados de identificação de material e dos respectivos códigos em publicações específicas: catálogos ou banco de dados para consulta ou disseminação da informação.

CATODO

Eletrodo negativo; eletrodo de onde partem os elétrons e para onde se dirigem os íons positivos.

CAUSA COMUM

Entrada do processo que regularmente contribui para a variabilidade da saída do processo.

CAUSAS COMUNS

São as variações inerentes a um processo, determinam a sua "variabilidade característica" e, geralmente, vêm de várias fontes de pequenas variações. A eliminação destas é mais complexa e requer o conhecimento e análise de todo o processo e mudanças estruturais - procedimentos, pessoas, equipamento etc. Nos gráficos de controle, as causas comuns são representadas por pontos "dentro" dos limites de controle.

CAUSA RAIZ

O evento primeiro, singular, que resulta em um modo de falha.

CAUSAS ESPECIAIS DE VARIAÇÃO

São variações que surgem ocasionalmente no processo. Uma vez identificada uma causa especial, deve-se prevenir a sua reincidência por meio de uma ação preventiva. Nos gráficos de controle, as causas especiais são representadas por pontos "fora" dos limites de controle.

CAVALO MECÂNICO

Veículo com força motriz para o tracionamento de carretas.

CBD

Commerce business daily

CBT

Computer-based training

CBT

Utilização de computadores para automatizar o processo de aprendizagem.

CBU

Complete build up

CDROM COMPACT

Disk read-only memory

CE - CÓDIGOS DE ESTOQUE

Designação de uma numeração para o item.

 

 

Política de cookies

Este site utiliza cookies para armazenar informações no seu computador.

Você aceita?